Adriano Botelho de Sousa

NAS MINHAS MÃOS

Tenho nas mãos dois caminhos, duas decisões, mesmo quando tudo parece desabar,  cabe a mim decidir, entre rir ou chorar, entre ir ou ficar, entre desistir e o lutar.  Se o mar está revolto, posso ficar na praia ou sair para pescar e talvez, nunca mais voltar.

Tenho nas minhas mãos o bem e o mal, e entre eles poucos pensamentos; um diz para fazer sem culpa o outro pensa, reflete e pede para esperar. Enquanto o mundo se perde em erros, posso manter-me sereno, sem medo porque tenho a chave da minha vida, nas minhas mãos.

Então, hoje me sinto mais forte, atravessei os desertos da alma, amei quem não me amou, e deixei de lado quem muito me amava, coisas de afinidade, sentimentos vagos da alma e atravessei caminhos nem sempre floridos, que deixaram marcas profundas em mim, mas amei e fui amado... Por isso, tenho nas mãos bem mais que a vida, tenho a duvida e a certeza, a esperança e o medo, o desejo e a apatia, o trabalho e a preguiça e me dou o direito de errar sem me cobrar e acertar sem me gabar. Porque descobri no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir. e decidi de uma vez por todas, ser simplesmente feliz e esse caminho não tem volta...

(Paulo Roberto Gaefke)

Obrigado pela sua visita

Antes de nos deixar, subscreva a nossa newsletter e fique sempre informado sobre os nossos livros.