Antônio de Pádua A. A. Barros

Antônio de Pádua Alves de Araújo Barros, paulistano, casado, 42 anos, homem comum que jovem ainda, com apenas 16 anos passou a observar fenômenos mediúnicos. Começou a procurar sem sucesso em muitas religiões a explicação de muitas questões, que a própria ciência, ainda não explicava ou explica.

A partir dos 18 anos de idade, percebe que existe uma força espiritual cigana lhe acompanhando e a partir desse momento passa a estudar para conhecer a fundo este povo e sua cultura. Descobrindo em sua própria árvore genealógica, alguns antepassados ciganos.

A partir dos 30 anos ao lado de sua esposa, resolve finalmente dar inicio aos trabalhos mediúnicos. Abrindo em sua própria casa uma Tsara Cigana, para que pudesse atender a todos que procuravam uma ajuda.

Por todo este tempo recebe orientações diretas de alguns espíritos ciganos e deste modo contribui para a propagação dessa cultura.  Chegando aos 40 anos lhe é concedida a permissão de escrever essa obra, com o devido cuidado de não fugir as recomendações dos próprios espíritos relatados nesse livro. 

Obrigado pela sua visita

Antes de nos deixar, subscreva a nossa newsletter e fique sempre informado sobre os nossos livros.