Daniel Sanina

Nascido a 23 do mês de outubro Pelo ano de 1973 na freguesia De Alvalade em Lisboa Imediato três dias e viajou a Beja; Terra onde cresceu a estudar pelo Primário e secundário. Terra que lhe eternizou costela Alentejana, mas sem hábitos parecidos! Terra de muitas memórias...a memória
Por exemplo do dia da aquisição
Do importantíssimo bilhete de identidade
O actual cartão de cidadão...número que se manteve e será vitalício, 10106666 Hum já nos sentíamos maiores
Com aquele cartão; com um número destes então!
Já era um número...passei a ser um número!
Já nessa altura escrevia
Umas coisitas em recortes de papel
Cobiçados pelos cantos mais escondidos das gavetas! Voltou a Lisboa para
Um curso superior que rapidamente
Foi substituído por um curso de fotografia Laboratório e história de artes,
Na antiga e alternativa escola de artes
e comunicação, mais conhecida
Por Arco; naquele bairro
De Alfama que teria muitas
Histórias para contar Trabalhou então como freelancer
Em várias lojas de imagem,
Colaborou com jornais e algumas Plataformas turísticas. Sempre
Como freelancer; o que lhe deu
Espaço de manobra para
Trabalhar noutras áreas como
Montagem e assistência de palcos
Para espetáculos, escavações arqueológicas Restauração, grandes superfícies, Até call centers e outros sítios tais Como fizemos a maioria pertencente À tal geração do desenrasque! “andámos por muitos e por nenhum” Ainda tentou por Londres onde
A restauração se apoderava de
Quase todo o tempo por aquele Aeroporto de Gatwick onde trabalhou Nos lados sul e norte! Passou Também por um clube de jazz
Onde conseguia conciliar o
Prazer da música com as dores
Nos pés das largas horas de
Horários britânicos! E sorrir!
É parte do uniforme!
Voltou à terra de menos sorrisos, Terras lusas, sua pátria do fado; Vasculhou por novos velhos trabalhos Ainda abriu outro negócio que,
Ainda bem que fechou e assim o Catapultou para nova aventura... Vendedor de antiguidades;
Das quais também é colecionador,
É um bichinho antigo como outros

Prazeres...o de tocar guitarra,
O ilusionismo, amante de cães
E animais...passeios pelo desconhecido! O curioso é que de todos os prazeres,
O da escrita, é aquele que
Pertenceu ao final de praticamente Todos aqueles dias...
Na recordação de pessoas, trabalhos, Sítios, cheiros e acordes...
Em todos esses caminhos,
Uma coisa há em comum...
O chegar ao fim do dia;
Pegar no papel e na caneta!
Curioso...os cheiros mudam;
Mas a escrita esteve sempre!
Este é realmente o
Bichinho permanente!
Conhecido por Daniel Sanina
Esteve ligado a eventos de fotografia, Musicais e de ilusionismo,
Com primeiros prémios participativos Nas várias categorias.
Amante do silencio inspirador
E do decibel estrondoso
Da música...mais amante ainda
Da música transportada pelas palavras ...do chilreio dos pássaros
Entre o tudo e o nada!
Hobby Predilecto
Abraçar o momento mágico
De conciliar palavras e acarinhá-las Transformando-as em poesia...é que... O poeta não tem nada
A mão e a fada!

Obrigado pela sua visita

Antes de nos deixar, subscreva a nossa newsletter e fique sempre informado sobre os nossos livros.