Filipe la Féria

 Estudou encenação em Londres como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e foi professor universitário durante mais de uma década, onde regeu a cadeira de «Arte e Imagem» na Universidade Independente. Foi premiado várias vezes pela Crítica, Casa da Imprensa, Secretaria de Estado da Cultura e vários órgãos de comunicação social como autor, encenador e cenógrafo. No décimo aniversário do 25 de Abril, a Associação Portuguesa de Críticos premeia-o como uma das personalidades que mais se destacaram no Teatro. Foi condecorado Comendador com a Ordem do Infante D. Henrique pelo Presidente da República, Dr. Mário Soares e em 2006 recebe nova condecoração, a Grã-Cruz da Ordem do Infante, atribuída por outro Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, tendo ainda sido condecorado com a Medalha de Ouro da cidade de Lisboa. Ganhou os Globos de Ouro dos melhores espectáculos com Amália em 2000, My Fair Lady em 2003, Música no Coração em 2006 e West Side Story em 2009.Entre os muitos musicais que já escreveu, adaptou e encenou como Passa por Mim no Rossio, Maldita Cocaína, Música no Coração, Amália, My Fair Lady, A Canção de Lisboa, West Side Story, Jesus Cristo Superstar, Um Violino no Telhado, Piaf, A Gaiola das Loucas, Annie e Fado | História de Um Povo, destacam-se, na área do teatro infantil, peças como A Menina do Mar de Sophia de Mello Breyner Andresen, Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll, A Estrela de Virgílio Ferreira e O Principezinho, o célebre livro de Antoine Saint-Exupéry. Em 2009, faz a adaptação para teatro do clássico do cinema O Feiticeiro de Oz e um ano depois, a adaptação da série televisiva O Sítio do Picapau Amarelo num espectáculo visto por milhares de crianças que regressaram ao Teatro Politeama para assistirem ao musical infanto-juvenil, Pinóquio, no mesmo ano em que faz a revisão da sua carreira em O Melhor de La Féria no Casino Estoril e revela Vanessa como actriz no papel de Judy Garland no musical O Fim do Arco-Íris e confirma-a como protagonista em Uma Noite em Casa de Amália.Vinte anos depois de revolucionar o teatro musical com o histórico PASSA POR MIM NO ROSSIO, regressa a este género tão querido do público português com um musical que passa em revista a nossa actualidade política, económica e social com uma crítica acutilante e mordaz, plena de humor, música e uma arrojada coreografia na comemoração dos 100 anos do Politeama num espectáculo que revisita a arte de ser português: uma GRANDE REVISTA À PORTUGUESA que ficará na memória de Portugal.

Obrigado pela sua visita

Antes de nos deixar, subscreva a nossa newsletter e fique sempre informado sobre os nossos livros.