Ilídio Duarte Rodrigues

Ilídio Duarte Rodrigues nasceu na Covilhã e foi agarrado pela história e pelos mitos dos Montes Hermínios, dos lusitanos, de Viriato, de Sertório e, antes, dos celtas e dos seus castros.

Estudou em Lisboa, onde obteve o grau de licenciado, e em Coimbra, onde lhe foi concedido o Mestrado em Ciências Jurídico-Empresariais.

Em Aveiro, iniciou a sua atividade profissional de advogado e de docente, como Assistente, Professor Auxiliar e Professor Coordenador de Direito, no respetivo Instituto Superior de Contabilidade e Administração. Nesta cidade se lhe entranhou na alma o “aveirismo”, filosofia universalista de valores, de que se destacam a liberdade, a democracia e a tolerância e um acrisolado amor à sua terra. Dessa vivência nasceu um livro, intitulado “Não morro nem que matem”, onde se fala de Santa Joana, de José Estêvão, de Homem Christo, dos Mártires da Liberdade, e ainda das cavalhadas de Eixo, das duas procissões do Senhor dos Passos, dos cagaréus e dos ceboleiros, da Sociedade Recreio Artístico e do Clube dos Galitos e das galeotas. Todavia, não se aborda só o passado. Trata-se ainda de problemas atuais, como a crise da família e as soluções cómodas e egoístas para problemas de ontem e de hoje.

Depois, radicou-se em Lisboa, exercendo as mesmas atividades profissionais.  Aqui, escreveu um novo livro sob o título “O contador de histórias. Viagens a Fundos Lusitanos”.  É um sonho por onde passa a violência coletiva, a conformação das almas e a formatação dos espíritos, a corrupção artesanal, que se transforma em corrupção em rede, a decadência e a agonia deste Portugal a “entristecer” e que hoje é “nevoeiro”.

Passou por Macau, dando colaboração jurídica à respetiva Administração Pública. Sendo Macau uma magnífica placa giratória, teve oportunidade de conhecer outras terras e outras gentes do Extremo Oriente.

No domínio da Ciência do Direito publicou diversas obras.

É rotário. O seu clube esforça-se por fazer o bem. De todas as obras que realizou aquela que lhe dá mais orgulho é a colocação de uma miniatura da Torre de Belém no jardim em frente. Para quê? Para que os amblíopes possam ver com as mãos essa joia da nossa História.

Obrigado pela sua visita

Antes de nos deixar, subscreva a nossa newsletter e fique sempre informado sobre os nossos livros.